Entrevista a Arlindo Cesar Salles de Abreu

Arlindo Cesar Salles de Abreu é autor de Vitório: o juiz que escrevia sentença à porta fechada e estará no estande da Multifoco na Bienal 2016.

Confira nossa programação.

 

Arlindo Cesar Salles de AbreuComo se descobriu escritor?

Comecei a escrever, quando adolescente, alguns poemas, mas a prosa veio no período da Faculdade de Direito.

Qual a sua principal inspiração?

A natureza humana.

Sua profissão ou o lugar de onde veio tiveram alguma influência em seus temas e em seu modo de escrever?

Minhas influências relacionadas ao livro Vitório vieram da convivência com o mundo jurídico durante a Faculdade de Direito. Quanto ao modo de escrever, vieram das leituras dos clássicos da literatura.

Quais as suas principais referências literárias?

Machado de Assis.

Qual o livro mais marcante que já leu e por qual razão o considera tão importante?

Memórias Póstumas de Brás Cuba, pelo fato de ser extremamente irônico.

Como funciona o seu processo criativo, como cria seus personagens e histórias?

De forma natural, vão surgindo os personagens e as histórias. Quanto ao processo criativo, é por meio de insights: vão aparecendo os esboços do enredo e depois vou reescrevendo os textos até chegar ao ponto em que quero.

Em que se tornar um contador de histórias modificou a sua vida?

Sim, porque consigo registrar de forma consciente e inconsciente o meu modo de ver o mundo e assim tento influenciar quem lê meu livro.

Conversa com alguém sobre o livro no decorrer da escrita ou prefere resolver sozinho todos os problemas surgidos durante o processo?

Sozinho.

O advento da internet facilita ou atrapalha o ingresso na literatura, tanto de novos leitores quanto de novos escritores?

Facilita porque tem varias formas de expor a escrita, seja por blogger, seja por meio de livro digital e até mesmo pelas mídias digitais.

Em sua opinião, qual a maior dificuldade em ser escritor no Brasil?

A falta de hábito de ler do brasileiro.

Alguma dica para quem está pretendendo se lançar na carreira literária?

Escrever sem medo de ser censurado.

Quais os planos para o futuro?

Escrever, escrever e escrever…