Nesta edição da série “Como Publicar”, abordaremos a maneira como a Editora Multifoco pensa as suas publicações, apresentando os pilares nos quais se baseia seu modelo de negócios e relacionando-os com o momento atual da indústria literária. Além de explicar nossa crença e nossa forma de trabalhar, esse texto também tem como objetivo alinhar as expectativas de futuros autores que considerem a Multifoco como possível destino para sua obra.

 

Todo autor iniciante, ao pesquisar as opções de editoras para lançar seu livro, deve ter se deparado com empresas que garantiam a publicação mediante um pagamento, seja por 5.000, 10.000, 12.000 ou 15.000 reais, normalmente garantindo tiragens que vão de 200 a 1.000 livros – sendo que um percentual destes supostamente será distribuído pelo Brasil, ou até mesmo no exterior. Nada contra essas editoras, afinal, como trataremos em mais detalhes adiante, editar um livro da maneira tradicional custa caro. No entanto, ao cobrar valores dessa grandeza, estas editoras estão excluindo do mercado um volume imenso de autores que não pode arcar com tais custos.

 

A Multifoco, como esperamos que nossos autores tenham percebido, pretende ser uma editora democrática, tornando a publicação acessível a virtualmente todos. Entretanto, naturalmente, para que isso seja possível, precisamos trabalhar de uma maneira muito diferente das editoras tradicionais em todos os sentidos – alguns deles nem sempre compreendidos com facilidade. Na sequência, apresentamos os principais pilares que nos norteiam, destacando especialmente as diferenças em relação às práticas usualmente verificadas no mercado.

 

1 – Produção enxuta – Para conseguir tornar um lançamento de 50 ou até 100 exemplares de um mesmo título viável, é necessário dispor de um processo produtivo mais enxuto possível. Publicar implica ter uma plataforma de recebimento dos originais (no caso da Multifoco, o site e um sistema de atendimento), pessoal para analisar os textos recebidos e responder às milhares de solicitações mensais, negociar o acordo e formalizar a negociação (via contrato de publicação), diagramar o texto e produzir a capa, imprimir o livro (processo dividido em pelo menos 6 etapas distintas). Isto sem contar em custos de T.I. (afinal, temos que contar com site, servidores, provedores de e-mail etc.), jurídicos, contabilidade, tributos e outros. Todos esses custos somados devem ser cobertos pelo lançamento de um título.

 

2 – Minimização do risco: o modelo de negócio das editoras tradicionais se baseia em escolher poucos títulos promissores, usualmente de autores consagrados, investir pesadamente neles e esperar altos retornos de seus investimentos. É claro que o índice de acertos da previsão de quais títulos seriam sucesso comercial sempre foi baixa. Entretanto, a ideia é que um best-seller desse um retorno tão elevado que compensasse o prejuízo dos outros títulos que fracassaram. O modelo da Multifoco não permite a possibilidade de apostas tão elevadas, ou seja: como não teremos um best seller para compensar nossas apostas erradas, precisamos fazer sempre as apostas na medida certa. O princípio é simples: para investirmos em mais autores precisamos sempre evitar os prejuízos.

 

3 – Parceria – Uma principal consequência do modelo de negócio da Multifoco diz respeito ao tipo de relação que a empresa precisa ter com seus autores. Para ser capaz de lançar um volume tão elevado de títulos, a Multifoco precisa que seus autores participem ativamente do processo de publicação e, principalmente, de divulgação da obra, portanto, configurando-se em uma genuína parceria. Um exemplo desta necessidade pode ser conferido no outro artigo da série, “Como divulgar meu livro”. Um resumo deste artigo pode ser tão objetivo e transparente quanto nossos autores merecem: não vamos investir em divulgá-los na grande mídia. Não podemos, neste modelo, distribuir seus livros físicos (tema do próximo artigo da série) nas milhares de livrarias Brasil afora. Sim, é esperado que você seja o principal canal de divulgação e venda do seu título, seja através da sua profissão ou do seu empenho pessoal. Gostaríamos muito (mas muito mesmo) de poder investir mais em cada um de nossos autores, mas desta forma seríamos obrigados e abraçar a excludente lógica dos best sellers. A única forma de investir em todos é melhorando a estrutura da empresa: site, aplicativos, gráfica, atendimento, relacionamento com livrarias, enfim, toda uma estrutura que hoje compreende um parque de mais de 500 metros quadrados no centro do Rio, representantes em Porto Alegre, São Paulo e Maceió.

 

Contamos com a opinião sincera de vocês e que nos ajudem a construir um caminho que só é possível com cooperação e confiança.

 

João Amorim

Comments

  1. WRises94

    Esplendido!
    Estou tendo a oportunidade de fazer parte da família Multifoco como autor.
    Dês do primeiro e-mail encaminhado, tenho sido tratado como se fosse um escritor de renome, céleres, respeitosos e de fácil comunicação, assim estou sendo tratado pelos diretores da editora Multifoco.
    Eu tenho um sonho, me tornar um formador de opiniões seguindo uma ideologia própria para fora de tudo que já esta estabelecido como modelo único deste ou daquele conceito já formado a repeito de algo.
    A multifoco inova com essas ações precursoras em estar dando oportunidades a pessoas até então anônimas, que com uma força, (empurrãozinho) da editora, começam a dar seus primeiros passos neste mundo tão fantástico como é o da literatura.

    Grato:
    W.Rises.

  2. Muito interessante a proposta. Tenho uma pergunta: quais os caminhos que um autor pode trilhar para divulgar a sua obra? Venho da área de tecnologia, meus amigos leem pouco, então mesmo divulgando em plataforma gratuita, estou tendo dificuldades para divulgar. Se puder dar algumas sugestões, agradeço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *