A partir de hoje vamos publicar aqui textos com dicas para os autores e reflexões sobre o mercado editorial. O mote principal não é o de passar aos autores receitas de bolo para o sucesso do seu livro: cada edição e cada autor são empreendimentos únicos e as combinações das inúmeras variáveis tornam pouco úteis recomendações ou dicas específicas.

Por isto nossa intenção com os textos seguintes é não somente a de orientar os autores, mas sobretudo oferecer elementos para que se torne mais compreensível a relação (ou relações) entre seu livro, o trabalho da Multifoco e o mercado editorial de uma forma geral.

Editores e Editoras

A Multifoco surgiu de uma necessidade. Durante curso de jornalismo na Uff- Universidade Federal Fluminense, um grupo de amigos ansiosos por ver nas ruas seus textos e matérias, se deparou com a dificuldade de 99,99% dos produtores e / ou editores de conteúdo: como aprová-los no funil editorial cada vez mais estreito das grandes editoras ou como levantar uma quantia significativa de dinheiro para contratar os serviços gráficos e editoriais necessários? Como vender nas livrarias? Como vender? Estas perguntas nos levaram a reflexão inevitável sobre o papel da editora (inclusive de periódicos) em um mundo no qual a produção escrita é cada vez maior e no qual os nichos (de pesquisa, estéticos, ideológicos, etc) se cruzam com cada vez mais facilidade através da internet.

Até aquele momento, ainda início da expansão das atividades digitais no país, o papel da editora, e consequentemente do editor, era o mesmo há pelo menos 50 anos. Isto é, as editoras e editores eram os filtros que julgavam o que era bom o suficiente ou que era comercial o suficiente para justificar uma publicação que possibilitasse vendas massivas. Claramente subjetivo, este julgamento era a base de um modelo de negócio que se sustentava mantendo a maior parte dos produtores de texto fora dele. Simplesmente por esta única característica, vamos nos referir a este modelo como um modelo exclusivista, já que ele exclui a maior parte dos produtores / editores de conteúdo, tentando atingir o maior número possível de pessoas, com um número reduzido de produtos.

Esse papel exclusivo é evidente a ponto de boa parte das grandes editoras se orgulharem do imenso número de material que recusam todos os anos. É muito importante notar que não são apenas as grandes editoras que reproduzem este modelo. Boa parte das pequenas editoras, tenta reproduzi-los. Quando uma editora cobra muito caro prometendo imprimir grandes tiragens e distribuir o livro ela está, muitas vezes, reproduzindo este modelo com o seu dinheiro. Aos contrário das editoras tradicionais, no qual o recorte se dá (ou deveria se dar) pela qualidade (linha editorial) ou apelo comercial, na editora prestadora de serviço a exclusividade é destinada ao autor que tem dinheiro para bancar um estrutura a seu serviço. É importante notar que a crítica acima é a um modelo de negócio e não pretende negar as inúmeras contribuições e trabalhos brilhantes que foram e continuam sendo publicados por estas editoras – tantos as tradicionais quantos as prestadoras de serviços.

Por outro lado, o cenário descrito acima de forma rude e resumida, levou com que pensássemos em um projeto de editora diferente, no qual os projetos pudessem seguir adiante sem tantas barreiras econômicas, comerciais ou eruditas. Um modelo de negócio que possibilitasse que cada vez mais gente tivesse oportunidade de editar, publicar e que os leitores tivessem ao seu dispor mais escolhas de leitura. Esse é o cerne da Multifoco, a construção permanente de um modelo de editora inclusiva, o que nos coloca certamente uma série de dificuldades, problemas e limitações (todos desafios) que discutiremos também ao longo desta série.

Editores

Um dos principais pontos que vem sendo pensado ao longo desta trajetória é justamente a função do editor. Como dito anteriormente, o editor tradicional faz o filtro do que considera comercialmente atraente (ou atraente para o catálogo) e acompanha com toda atenção a sua edição até o pós-lançamento, em um processo dispendioso, que busca idealmente eliminar totalmente os erros de uma edição que terá milhares de exemplares impressos e que terá também custos com divulgação e distribuição física. O que pouca gente sabe, é que no fundo, a escolha do editor, por mais justificada que pareça, é sempre uma aposta. Grande parte dos títulos lançados neste modelo (no brasil e no mundo – Ler Epstein, J “O negócio do Livro”) é deficitária e os eventuais sucessos acabam por ter de pagar pelas apostas fracassadas. Sem contar que a maior parte das editoras brasileiras continua a depender incrivelmente de vendas para o governo e de outros tipos de subsídios para publicação.

Por isto mesmo, a maior parte das editoras dispõe de um número limitado de editores e consequentemente tem uma capacidade limitada de avaliação. Como publicar sem avalição? Não há, por grande parte delas, nenhum movimento em sofisticar a entrada destes textos em seus bancos de dados – a maior parte continua exigindo material impresso para avaliação – ou em corrigir este problema, já que o modelo é sobretudo exclusivista. Por isso a maior parte do material enviado a uma editora não é sequer avaliado.

Percebemos, portanto, que na Multifoco precisávamos mudar a função do editor e ter o maior número possível deles. O editores também fazem os livros.  Precisávamos e precisamos cada vez mais aprimorar a maneira como recebemos e indexamos os originais. Com um processo de produção enxuto e eficiente, a Multifoco reduz muito o risco dos editores e possibilita que ele faça muito mais apostas. É preciso tornar o filtro mais amplo e eficiente.

Se a missão da multifoco é a de incluir as pessoas e suas ideias, temos que ter editores os mais diversos possíveis. Por isto a partir de 2016, designamos um de nossos fundadores e sócios, Thiago França, a missão de expandir e estruturar esta rede, melhorando nosso processo em todos os aspectos possíveis, da avaliação ao atendimento no pós lançamento. Da organização de comunidades em torno de nichos de publicação até a criação de outros valores de marca em torno destes selos.

Portanto, o primeiro passo para publicar, é encontramos o melhor editor para avaliar o seu texto.

Leonardo Simmer

 

Comments

  1. Fatima

    Olá,

    Quais são os critérios para se tornar um editor? Tenho muita vontade de seguir esse caminho, já que sou escritora ( publiquei uma crônica na coletânea Crônico! , pela Multifoco em 2011, e estou trrminando meu primeiro livro ( em breve enviarei os originais). Estou em busca de um novo caminho profissional e pretendo seguir nesse meio.

    Aguardo retorno .

    Att,
    Fátima

  2. carlos passarelli

    Já lancei dois livros pela Multifoco e espero que ela continue trilhando esse caminho e dando oportunidades únicas a tantos artistas espalhados por esse imenso Brasil.
    abç e sucesso

  3. Antonio Marcos Rudolf

    Lancei meu primeiro livro, o romance O Hiato, em setembro de 2014 e gostei do trabalho da produção do livro que ficou excelente, mas sinto até hoje apenas um maior empenho na divulgação do livro, seja em feiras de livros ou em palestras que ajudam a divulgar os títulos. Acho que esse trabalho seria importante tanto para o autor quanto para a Editora, em termos de vendas.

  4. David Benner

    Oi, acompanho a MultiFoco faz um bom tempo. O trabalho slde vocês é fantástico. Sou novato nesse mundo editorial, e escrevi um livro e estou tentando publicar pela MultiFoco. Mas é inevitável que as muitas dúvidas são barreiras gigantes para nós. Eu enviei um original, mas somente enviei metade dele, por não saber como funciona corretamente. Eu gostaria de poder ter uma orientação por aqui. Devo enviar meu original completo? Mesmo se não for aceito, vocês comunicam? Como fica meu original enviado? E quanto tempo leva do envio do original até a etapa de publicação?
    Desde já muito agradecido!

    • Leonardo Simmer

      Olá David,

      Você deve enviar sim o original inteiro. O original é avaliado por nossa equipe de avaliadores e antes de ser reprovado deve passar por dois profissionais. Avisamos sim quando o livro é recusado. Pedimos que dê uma olhada em nossa Central de Ajuda . Lá você pode pesquisar sobre muitos temas e tirar suas dúvidas. Permanecendo alguma, escreva para contato@editoramultifoco.com.br e lhe retornaremos com o maior prazer. Abraços!

  5. Sandra Maria da Silva

    Olá! Sou novata aqui,mas ,logo de cara já fui bem atendida,já encaminhei meu original,tudo muito rápido e sem estresse.
    Me senti confortável e segura durante o atendimento. Agora aguardo resposta se o meu original será aprovado ou não.
    O pior já passou,que foi procurar uma editora. acho que achei. Obrigada amigos..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *