Entrevista a César Ricardo Mendes

César Ricardo Mendes é autor de O impacto da internet na indústria e no marketing musical e estará no estande da Multifoco na Bienal 2016.

Confira nossa programação.

 

César Ricardo MendesComo se descobriu escritor?

Jornalista é um ser que gosta de escrever, e escrever é um processo muito natural para mim. A grande diferença é que como jornalista escrevo textos, já escrever um livro demanda diversos textos. De qualquer forma, compartilhar o conhecimento através da escrita é algo que sempre gostei, até mesmo antes de ser jornalista.

Qual é a sua principal inspiração?

Sendo profissional de marketing/comunicação e músico profissional, observo as diferentes mudanças pelas quais o meio tem passado. Minha inspiração para escrever esse livro foi observar que não existe nenhum livro sobre o mesmo tema no mercado editorial brasileiro.

Na verdade, eu quis suprir uma necessidade minha. Tive essa dificuldade durante o período em que fiz pesquisas acadêmicas para as pós-graduações em que estudei.

Quais são as suas principais referências literárias?

Curiosamente, minhas referências literárias não são da mesma linha que escrevi. Talvez, com exceção de Philip Kotler, que é o pai do marketing. Mas gosto muito de autores como o Philip Yancey, Aldous Huxley e Guy Debord.

Qual é o livro mais marcante que já leu e por qual razão o considera tão importante?

São diversos livros que considero importantes, até mesmo aqueles que são desprezados por muitos. Gosto muito do Maravilhosa graça, do Philip Yancey, Admirável mundo novo, do Aldous Huxley, Sociedade do espetáculo, do Guy Debord, Código da inteligência, do Augusto Cury e a Bíblia Sagrada, que considero uma fonte histórica muito rica, que vai além da importância espiritual.

Como funciona o seu processo criativo?

Não gosto de me pressionar a escrever algo. Acho que, dentro do tema que escrevi, existe uma necessidade muito grande de observação e pesquisa. Percebo que, quanto mais informação do meio de comunicação/marketing/internet e música eu adquiro, mais necessidade de colocar no papel eu tenho, para que isso seja compartilhado com outras pessoas que tenham o mesmo tipo de curiosidade.

Em que se tornar um contador de histórias modificou a sua vida?

No meu caso não é bem um contador de história, mas um analista do que aconteceu na história do marketing musical desde o final do século XIX. Acho que o que modifica para mim é o fato de poder compartilhar o conhecimento adquirido com outras pessoas. Sou apaixonado pelo tema e gosto demais de observar as mudanças que o meio musical sofre com o passar dos anos justamente por causa da internet. Acho que poder compartilhar isso me faz bem.

Conversa com alguém sobre o livro no decorrer da escrita ou prefere resolver sozinho todos os problemas surgidos durante o processo?

Só converso para fazer pesquisa. No máximo, compartilho algumas ideias com a minha esposa, mas eu gosto de me concentrar no meu trabalho de forma mais independente.

O advento da internet facilita ou atrapalha o ingresso de novos leitores e de novos escritores na literatura?

Acho que assim como aconteceu com o mercado musical, a internet facilita esse ingresso. Talvez, a maior diferença é que escrever um livro requer bastante disciplina, e esse processo independe completamente da dinâmica da internet. Escrever, ainda é um processo único. No caso de novos leitores eu acho muito bom, pois estes podem conhecer novos temas e livros sem a necessidade de se deslocar até uma livraria. Acho que o grande desafio desse momento sejam os eBooks, que tem sido adotado por muitas pessoas.

Na sua opinião, qual a maior dificuldade em ser escritor no Brasil?

O Brasil não valoriza muito o escritor e muito menos a leitura. Quando você diz que escreveu um livro, as pessoas te olham como um E.T, ou com espanto, ou até mesmo como se você fosse louco! Quem escreve também gosta de ler, e conhecer um autor é sempre uma honra. Mas ver as pessoas não sabendo como agir quando sabem que você tem um livro, chega a ser estranho. Bom seria se o país propagasse mais àqueles que tentam compartilhar conhecimento através dos livros.

Alguma dica para quem está pretendendo se lançar na carreira literária?

É difícil dar conselhos quando você mesmo está se lançando, mas o que posso dizer é: vá em frente! Não desista, porque compartilhar conhecimento vale a pena. 

Quais são os seus planos para o futuro?

Pretendo escrever mais um livro dentro da área de comunicação e marketing. Ainda tenho pesquisado novos temas dentro do meio em que atuo. Mas creio que no momento certo algo novo vai sair. Por enquanto, quero divulgar bastante o livro recém lançado e poder palestrar sobre o tema.