Entrevista a Margareth Azevedo

Margareth Azevedo é autora de CadênciasOs caminhos mágicos do tarô e estará no estande da Multifoco na Bienal 2016.

Confira nossa programação.

 

Margareth AzevedoComo se descobriu escritora?

Sempre gostei de ler e escrever e por este motivo me dispus a escrever livros como forma de expressão.

Qual é a sua principal inspiração?

O desejo de passar adiante minha maneira de ver e entender a vida.

Sua profissão ou o lugar de onde veio tiveram alguma influência em seus temas e em seu modo de escrever?

Sim, principalmente meu aprendizado familiar. Meu Pai tinha uma biblioteca em casa, convivi com pessoas espiritualizadas e místicas e fiz a Faculdade de História e Filosofia da UFF que me deu uma excelente bagagem cultural. Além disso, meu ofício de professora me possibilita ensinar e aprender.

Quais são as suas principais referências literárias?

São muitas, mas as principais são: Manuel Bandeira, Cora Coralina, Lya Luft, Cecília Meireles, Clarice Lispector, Adélia Prado, Roseana Murray, Jorge Amado, Machado de Assis, Maquiavel, José Lins do Rêgo, Érico Veríssimo, Kalil Gibran, Rabindranat Tagore, Leonardo Boff…

Qual é o livro mais marcante que já leu e por qual razão o considera tão importante?

Dom Casmurro, de Machado de Assis. Pela capacidade de escrever e deixar sem resposta, até hoje, o final de sua história. Cada um faz do final sua própria conclusão.

Como funciona o seu processo criativo? Como cria seus personagens e histórias?

Bem… eu não crio personagens, pois escrevo poesias ou falo sobre o Tarô e os personagens são pessoas reais. Tento escrever meus livros com verdade e delicadeza. Penso em quem vai ler quando me sento para escrever.

Em que se tornar um contador de histórias modificou a sua vida?

A vida para quem escreve e tem seu leitores ganha um novo tom… fica mais gratificante.

Conversa com alguém sobre o livro no decorrer da escrita ou prefere resolver sozinho todos os problemas surgidos durante o processo?

Peço que leiam e opinem para me ajudarem a errar menos.

O advento da internet facilita ou atrapalha os novos escritores e leitores na literatura?

Facilita muito, pois torna mais fácil o acesso as editoras.

Na sua opinião, qual a maior dificuldade em ser escritor no Brasil?

A maior dificuldade está na divulgação e venda do livro.

Alguma dica para quem está pretendendo se lançar na carreira literária?

Confiar em si, lutar para fazer o melhor, ouvir opiniões sobre seus escritos, aproveitar das opiniões para melhorar, ter disciplina para escrever, buscar revisar seus escritos ou dar para um bom revisor, buscar por uma editora que o avalie e não desistir nas tentativas fracassadas.

Quais são os seus planos para o futuro?

Publicar os livros que estou terminando de escrever.