Entrevista a Nivea Oliveira

Nivea Oliveira é autora de Viajantes do tempo e estará no estande da Multifoco na Bienal 2016.

Confira nossa programação.

 

Nivea OliveiraComo se descobriu escritor?

Escrevo desde onze anos de idade. E meu pai foi o mentor dessa descoberta. Queria ser igual a ele.

Qual a sua principal inspiração?

O cotidiano. Capturo imagens e as transformo em textos. Sou observadora.

Sua profissão ou o lugar de onde veio tiveram alguma influência em seus temas e em seu modo de escrever?

Sim. Em nossa casa respiramos cultura. Os livros estavam sempre presentes e o hábito de ler também. Além dos meus pais, minha bisavó costumava ler para nós. Ela desligava a televisão e nos pedia para imaginarmos o que ela estava lendo. Uma experiência fantástica!

Quais as suas principais referências literárias?

Os Clássicos. Fiz Letras e no início eu lia os livros do programa do curso. Depois fui descobrindo autores contemporâneos. É uma busca contínua.

Qual o livro mais marcante que já leu e por qual razão o considera tão importante?

O Pequeno Príncipe. Cabe em todos os meus tempos, em todas as fases e tem sempre algo novo.

Como funciona o seu processo criativo, como cria seus personagens e histórias?

Trabalho com a imaginação porque aprendi a imaginar. Hoje brinco com as fotos que faço e, sempre que posso, exercito experiências sensoriais para dar mais realidade à trama.

Em que se tornar um contador de histórias modificou a sua vida?

Conheci as histórias das pessoas através das minhas. É uma troca.

Conversa com alguém sobre o livro no decorrer da escrita ou prefere resolver sozinho todos os problemas surgidos durante o processo?

Durante o processo de criação trabalho sozinha. Depois de quase pronto faço leituras dramatizadas em família e com uma amiga.

O advento da internet facilita ou atrapalha o ingresso na literatura, tanto de novos leitores quanto de novos escritores?

Facilita porque o nosso trabalho viaja pelo mundo após um clique. Tenho livros publicados na Amazon/Kindle. Não consigo abandonar o livro de papel ainda. Não devemos confundir a facilidade de publicação com ausência de trabalho.

Em sua opinião, qual a maior dificuldade em ser escritor no Brasil?

Primeiramente a leitura. É um processo que está ligado à escrita. Muitos escritores não conseguem investir neles mesmos por causa das dificuldades econômicas. O livro ainda é caro.

Alguma dica para quem está pretendendo se lançar na carreira literária?

Ler, ler e ler primeiro.

Quais os planos para o futuro?

Continuar escrevendo. Essa é a minha felicidade. Acordo todos os dias pensando nisso.