LIVRO

IMPRENSA SURGENTE E INSURGENTE NA INDEPENDÊNCIA – Memórias do Correio do Rio de Janeiro e de seu redator, “hum tal Lisboa”

R$69,90

  • Autor
    Nilo Sergio S. Gomes
  • ISBN
    978-65-991433-8-0
  • Ano
    2020
  • Páginas
    452
  • Gênero
    Jornalismo
  • Selo
    Multifoco

Descrição

Imprensa surgente e insurgente na Independência resgata a
memória do primeiro editor de um jornal diário, no Brasil – Correio
do Rio de Janeiro –, impresso no próprio país e não no estrangeiro,
como o Correio Braziliense, de Hipólito José da Costa, que era
editado e publicado em Londres.
Esse editor foi João Soares Lisboa, português de nascimento,
mas que chegou ao Brasil ainda bem jovem, tornando-se brasileiro
a ponto de morrer em Recife, lutando ao lado de Frei Caneca
pela Confederação do Equador, que buscou libertar o Nordeste e
Norte do país do despotismo e autoritarismo de Pedro I, no Rio de
Janeiro, e implantar a República, através da Confederação.
A atividade jornalística era terminantemente proibida no
Brasil, desde os tempos coloniais, mas a partir do segundo semestre
de 1821 caiu toda a censura. Foi uma queda efêmera, pois logo em
novembro de 1823, Pedro I com o auxílio das tropas militares
fechou a Assembleia e prendeu muita gente, inclusive, o ex-todo
poderoso José Bonifácio.
João Soares Lisboa foi degredado para Portugal, seu país de
nascimento, mas ao navio aportar em Recife, para abastecimento e
descanso da tripulação, fugiu a nado e, em terra, foi juntar-se às
tropas da Frei Caneca, que lutava pela independência do Nordeste
e Norte do Rio de Janeiro, sob o jugo do imperador Pedro I. Morreu
baleado pelas tropas de Pedro I, às margens do Rio Capibaribe. Este
livro é em sua memória.