LIVRO

Para aonde vamos? Crise e democracia no governo João Goulart 1961-1964

R$55,00

Disponível por encomenda

  • Autor
    Pablo de Oliveira de Mattos
  • ISBN
    9788582738245
  • Ano
    2019
  • Páginas
    232
  • Gênero
    Acadêmico
  • Selo
    Multifoco

Descrição

Neste livro o historiador Pablo de Oliveira de Mattos reflete sobre o conceito de democracia construído no período do governo de João Goulart. Através de vasta pesquisa documental nas páginas de jornais de grande circulação, Jornal do Brasil, Tribuna da Imprensa, Correio da Manhã, O Globo e Diário de Notícias reconstrói os debates travados por atores e suas relações com o entendimento da crise vivenciada. No pós-Segunda Guerra Mundial a democracia representativa emerge como um valor “Ocidental” em oposição ao comunismo “Oriental” e soviético. No Brasil, o embate entre, de um lado, uma democracia representativa comprometida com a contenção da participação política para além dos limites eleitorais e, de outro, reivindicações por uma democracia “mais substantiva”, a ampliação da participação democrática e modificações nas estruturas sociais, políticas e econômicas será vinculado a esta oposição.
O processo de democratização e a entrada de um contingente expressivo de eleitores marcou profundamente o debate político do Brasil pós-década de 1950. A democracia representativa é significada como única alternativa política viável em oposição à “agitação” e corrupção comunista, identificadas à ampliação da participação política. À medida que estas reivindicações se avolumavam e o espectro político-partidário se diversificava, este idioma político atuava na moralização da política e na construção de uma cultura política autoritária, apartidária, despolitizada e anticomunista. A análise também procura refletir sobre a estrutura argumentativa deste contexto linguístico, marcada pelo dualismo entre moral e política, e suas relações com o desfecho da experiência democrática brasileira. Em tempos atuais de incertezas e redução da democracia este livro nos convida a refletir sobre nosso passado recente e sobre a cultura política brasileira.