LIVRO

Oferta!

Rosa Choque

R$48,00 R$38,40

Em estoque (pode ser encomendado)

  • Autor
    Beatriz Pereira Dantes
  • ISBN
    978-85-5996-355-7
  • Ano
    2017
  • Páginas
    146
  • Gênero
    Autobiografia, Sexualidades Desviantes
  • Selo
    À Margem

Descrição

Beatriz relata sua biografia sem meias palavras. Afinal, a vida não tem meias palavras para as transexuais, e, se a vida não dá trégua, a sociedade, menos. Em “Rosa Choque – Histórias que ninguém nunca contou” você vai encontrar tudo o que imagina sobre a realidade de uma travesti, e algo a mais: as verdades cruas que o senso comum tenta mascarar. As histórias que ninguém nunca contou. Rosa choque é um tiro. Rosa choque é frente de batalha. Rosa choque é um grito de liberdade.

Sem meias palavras

“Desde criança, eu já me sentia diferente dos outros meninos. Uma vez, andando de mãos dadas com mamãe, passou um homem por nós, e tive medo de ela perceber que fiquei atraída por ele. Eu tinha sonhos em que eu vivia em um corpo com seios, de cabelo grande, correndo nua na praia. Quando me olhava no espelho, e via o bigode crescendo, eu me sentia presa, eu ficava desesperada. Vestia uma roupa da minha mamãe para amenizar essas sensações ruins. Isso me dava um pouco de alívio. Tive que lutar para sobreviver, para ajudar minha família. Não pense que eu fico calada, porque eu não fico, não. Eu abro a boca, eu taco pedra, como tacam em mim. Se me xingam, eu xingo também. Quando eu estava na rua, soube que eu tinha que escrever um livro. Algo me dizia. Eu achava que estava ficando alucinada. Hoje, vejo que alucinados são os outros. Tudo o que passei foi um aprendizado, para deixar para a minha classe. Classe é uma denominação tão feia, mas é assim que nos categorizam: classe. Somos todos seres humanos. Uma mensagem que quero mandar, para a comunidade LGBT principalmente, é para nunca esmorecer apesar das coisas que temos que fazer para nos manter de pé. É de pé que temos que estar. Nós, transexuais, ainda somos muito discriminadas. Somos agredidas, somos mortas, às vezes por alguém que se diz amigo, por um vizinho, por um parente. Ser diferente espanta os outros. Mas, como Bob Marley falava: Eles riem de mim porque eu sou diferente, e eu rio deles porque eles são todos iguais.”