LIVRO

Serpente – 60 Botes Certeiros

R$52,00

Em estoque

  • Autor
    Mário Lourenço Evangelista Junior
  • ISBN
    978-85-5996-340-3
  • Ano
    2017
  • Páginas
    234
  • Gênero
    Crônicas, Humor, Política
  • Selo
    Redondeza Crônicas

Descrição

Com certeza você já ouviu que “se fulano morder a língua, morre envenenado”. Bem, em geral, a tal serpente disfarçada de ser humano está certa em suas colocações e as repreensões que recebe por parte dos mais puritanos e politicamente corretos são apenas uma forma de conter essa sua ousadia de dizer a verdade doa a quem doer, de dizer aquilo que todos pensam mas têm coragem de falar.

Os sessenta botes presentes nesse livro foram dados nas mais diversas direções (política, comportamento, religião etc.) e são, acima de tudo, um manifesto contra esse mundo politicamente correto, no qual o que realmente pensamos e sentimos deve ser disfarçado e encaixotado numa espécie de opinião padronizada que não ofende, mas também não diz a que veio. Já que está cada vez mais difícil lutar contra esse mundo hipócrita, vazio e plastificado, pelo menos vamos rir dele. Motivos não faltam. E veneno para destilar, pelo por parte do autor, também não.

Mário Lourenço tem 28 anos e é doutor em Humor Negro pela UFPR (Universidade Federal de Piadas Recrimináveis), tendo realizado grandes e profundos estudos nas áreas de Piadas Autodepreciativas, Ironia Atômica e Criação de Apelidos. Adora camisas xadrez, sábados, cigarros e silêncio. Odeia funk, uva-passa, gente mais alta que ele e encontrar feijão no pote de sorvete no congelador. É extremamente grato por ter nascido no Brasil, uma vez que seria muito mais difícil fazer piadas escrotas se tivesse nascido num país sério, como o Japão, por exemplo.

“Dilma está tentando dar um rumo à vida, que continua, afinal de contas. Recebeu proposta da Record para participar do reality show A Fazenda e diz estar analisando com carinho. Também pode vir a comentar jogos da seleção brasileira na Globo ao lado de Galvão Bueno, caso a proposta financeira seja mais interessante. Uma terceira alternativa é a criação de um canal no YouTube, onde ela seria uma espécie de Kéfera Buchmann da terceira idade, dando dicas sobre assuntos que conhece bem, como economia doméstica, beleza e relacionamentos.”

Trecho da crônica “Best Seller da Dilma”